INFERTILIDADE MASCULINA

A infertilidade conjugal tem como causas os fatores masculinos e/ ou femininos. Sabe-se que 40% dos casos de infertilidade tem como causa os fatores masculinos; 40%, os femininos e os 20% restantes, devido a combinação dos fatores masculinos e femininos. A infertilidade masculina é constatada principalmente através da observação nas alterações encontradas no espermograma.

O homem poderá apresentar alteração na quantidade de espermatozóides presentes no sêmen, desde a diminuição até a ausência total. Os espermatozóides poderão ainda apresentar irregularidades de movimentos,e ou alterações da morfologia. Para cada tipo de alteração verificada no espermograma, haverá uma terapêutica específica para o fator masculino. É indicada a inseminação intrauterina para as alterações discretas; fertilização assistida convencional para as alterações moderadas; ICSI para as formas mais graves de alterações do espermograma, inclusive as ausências totais de espermatozóides no ejaculado, como acontece nos homens submetidos a vasectomia.

Fator Masculino: A avaliação do fator masculino, é realizada principalmente pela avaliação do sêmen.

  • 1. Diminuição do número de espermatozóides.
  • 2. Pouca mobilidade dos espermatozóides.
  • 3. Espermatozóides anormais.
  • 4. Ausência da produção de espermatozóides.

Várias são as causas que podem alterar o sêmen como: Alguns problemas de origem genética:

  • Anormalidades cromossômicas.
  • Distrofia miotônica.
  • Ausência de células germinativas no testículo.
  • Criptorquidismo.
  • Agenesia Gonádica.

Uso de drogas que afetam diretamente os espermatozóides:

  • Alguns tipos de remédios, utilizados para o tratamento de úlcera gástrica, pressão arterial, micoses.
  • Os entorpecentes, como maconha, heroína e metadona.
  • Certos pesticidas, como o dibromocloropropanol, têm mostrado prejudicar a função testicular nos homens.
  • No tratamento do câncer através da quimioterapia e irradiação pode haver prejuízos à fertilidade do homem. É aconselhável sempre o congelamento prévio e armazenamento do material para futura gravidez.
  • O uso do álcool em excesso.

Algumas doenças afetam a fertilidade masculina:

  • Aproximadamente 15 – 20% dos homens adultos que contraem caxumba podem desenvolver orquite normalmente unilateral, embora comprometimento bilateral ocorra em aproximadamente 10% dos homens afetados. Pode ocorrer desenvolvimento de atrofia testicular em 1 a 6 meses, ou mesmo depois de anos. Menos de um terço dos homens com orquite bilateral voltam a apresentar parâmetros seminais normais.
  • Doenças sistêmicas, como a insuficiência renal, que provocam uremia em homens estão associadas à libido diminuída, impotência, espermatogênese alterada e ginecomastia.
  • Grande porcentagem dos homens com cirrose hepática sofrem de atrofia testicular, impotência e ginecomastia.

Lesões acidentais e ou traumáticas:

  • A situação exposta dos testículos os torna suscetíveis a traumas e à atrofia subseqüente.
  • Lesões iatrogênicas podem ocorrer durante cirurgia inguinal e interferir no fornecimento sangüíneo ou prejudicar o vaso deferente provocando infertilidade.

Presença de varizes nas veias espermáticas:

  • A varicocele é a causa mais comum de infertilidade nos homens. O longo curso vertical da veia espermática interna esquerda, leva à formação de varicocele no lado esquerdo, na maioria das vezes (90%). Testes diagnósticos mais recentes têm demonstrado que a incidência de varicocele bilateral é superior a 40%. A incidência de varicocele na população adulta masculina é de aproximadamente 20% e, na população infértil, de aproximadamente 40%. Dos homens com varicocele, 50% apresentam sêmen de qualidade prejudicada, mas muitos homens com varicocele são férteis.

Causas não identificadas:

  • Pelo menos 25 – 40% dos homens inférteis apresentam infertilidade idiopática, para a qual não existe nenhuma causa identificada. É de se esperar que mais causas sejam descobertas com a expansão do conhecimento sobre a fisiologia reprodutiva masculina.

Observação:  A avaliação do sêmen constitui o exame mais importante na avaliação da fertilidade masculina porque todas alterações da fertilidade masculina tem como conseqüência final a alteração da qualidade e quantidade dos espermatozóides no sêmen.